Nossa versão para a propaganda do MEC: Também queremos fazer o Enem!

Em vídeo da UBES, UNE e ANPG, estudantes contestam publicidade oficial e pedem mudança de data na prova: "o futuro é com todos"

Um vídeo divulgado pelo Ministério da Educação nesta segunda (4/5) deixou estudantes indignados ao reafirmar as datas do Enem, mesmo com a pandemia que deixa todo mundo em casa, e mesmo com a decisão da Justiça pela adaptação do cronograma. Por isso gravamos nosso próprio vídeo, explicando uma situação que o MEC parece ignorar completamente.

Assista resposta dos estudantes sobre data do Enem:

“Seu futuro está aí” X “Um futuro com todos”

No vídeo da UBES, da UNE e da ANPG, quatro estudantes de diferentes realidades deixam claro que querem, sim, estudar, fazer a avaliação e entrar na universidade, como a propaganda do MEC propõe. Mas estes estudantes entendem a necessidade de alteração da data atual para uma mais justa.

Enquanto o MEC usa o lema “O Brasil não pode parar”, as entidades destacam a importância de não deixar ninguém para trás.  

“Estamos estudando, sim. Mas é ainda mais desigual. Nem todos vivem numa propaganda do MEC”, diz estudante no vídeo. A maior revolta é em relação ao desconhecimento do governo sobre a vida da população, como se todos tivessem as mesmas possibilidades de estudar em casa. Enquanto o governo apressa o futuro a qualquer custo, o recado das entidades é claro: “Precisamos construir um futuro com todos”.

Quem o MEC quer deixar para trás

Muitas reportagens mostram que o ensino a distância e pela internet proposto pelo MEC é impossível para muitos estudantes, que ficam ainda mais distantes da vaga na universidade nesta situação:

G1: Sem internet, merenda e lugar para estudar: veja os obstáculos da rede pública
UOL: Sem internet, estudantes de favela sofrem em preparação para o Enem
UBES: Por que adiar o Enem? Veja a história destes estudantes

O presidente da UBES, Pedro Gorki, desfaz o mito colocado pela propaganda do MEC: “O adiamento do Enem não vai prejudicar nosso futuro. Manter a data é que vai prejudicar o direito de todos os brasileiros poderem sonhar com a transformação da sua vida e com a transformação do Brasil”.