SP: Estudantes são detidos em manifestação pacífica contra o Escola sem Partido

O protesto ocorreu na Câmara Municipal, onde eles e alguns vereadores também foram agredidos pela GCM

Estudantes que se manifestavam pacificamente na Câmara Municipal de São Paulo, nesta terça-feira (12), contra o Escola sem Partido, foram agredidos pela Guarda Civil Municipal e detidos. O protesto foi organizado pelos secundaristas depois do PL 325/2014, de autoria dos vereadores Eduardo Tuma (PSDB) e Fernando Holiday (DEM), que é a censura do livre pensamento nas escolas municipais, ter recebido parecer favorável na Comissão de Finanças da Câmara Municipal de São Paulo em sessão extraordinária realizada nesta segunda-feira (11). O texto, agora, está pronto para ser votado em plenário.

“Desde ontem, estamos participando das sessões na Câmara para tentar impedir que o PL do Escola sem Partido não entre em votação no plenário”, disse o presidente da União Paulista dos Estudantes Secundaristas (UPES), Emerson Catatau.

A truculência da GCM nesta terça se intensificou logo depois que os estudantes presentes no plenário terminaram um jogral, e o presidente da Câmara, Milton Leite, pediu que os estudantes fossem retirados do plenário.

Estudantes e vereadores foram agredidos, e quatro jovens foram detidos e levados ao 1º DP, no bairro da Liberdade: Isabela Queiroz,Daniel Cruz, Richard Fonseca e Marcelo Richard Pereira. A vereadora Juliana Cardoso (PT) chegou a receber voz de prisão, por tentar impedir a detenção dos estudantes.

Os advogados dos mandatos de Juliana e do vereador Eduardo Suplicy (PT) foram para a delegacia para acompanhar o caso. Os vereadores que sofreram com a truculência da GCM também devem registrar boletim de ocorrência.

Até o fechamento desta matéria, os estudantes permaneciam detidos, sem previsão de liberação. Após serem ouvidos, eles devem ser encaminhados para o Instituto Médico Legal, para fazer corpo de delito.

Atualização:

Há pouco (20h20), os estudantes foram liberados e gravaram um vídeo sobre o ocorrido:

 

Leia também:

SP: Estudantes fazem vigília contra o “Escola sem Partido”