Depoimento: “Tinha vontade de sumir todos os dias”

Juliene Silva, secretária geral da UBES, conta como se reconheceu na série 13 Reasons Why: "Passou da hora de professores e diretores tratarem bullying e racismo como algo sério"

juliene

por Julienne Silva, secretária geral da UBES

Acho que com esse texto eu entro para o grupo das pessoas que se reconheceram em “13 Reasons Why”. A escola não é fácil pra ninguém mas depois do que achei hoje senti vontade de escrever.

Ao limpar o quartinho de bagunça, achei dentre os documentos da minha mãe cópias dos meus históricos do MSN, cerca de 10 páginas de um dia específico em que quatro meninas decidiram que uma boa atividade era se juntar e dizer o quanto me odiavam. Diziam o quanto eu era feia, o quanto todos me odiavam, o quanto eu me vestia mal, o quanto meu cabelo era horrível, meu jeito era irritante e por aí vai.

Leia também:
Muitas razões para combater o bullying

Eu nunca entendi por que aquilo ocorreu. Mas sei bem o que aconteceu depois: passei o restante dos dias chorando antes e depois da escola, durante os intervalos às vezes me trancava no banheiro para chorar, até que a diretora descobriu, decidiu que aquilo era eu querendo chamar atenção e me deu advertências.

O tempo passou, o choro parou, mas eu parei de me vestir como me sentia bem pra usar coisas que não chamassem atenção e eu realmente sentia que todos me odiavam e isso me dava vontade de sumir todos os dias. Se eu já pensei em me matar? Sim. Mas nunca tentei nada, acho que foi por terem passado na minha vida amigas que me faziam muito bem, (Ariely,Sstheffanny e Barbara, acho importante colocar os nomes pra agradecer).

Essa fase passou, me encontrei no movimento estudantil e me abri novamente pro mundo. Mas as lembranças desse período geraram cicatrizes doloridas: eu evito passar em frente a antiga escola e quando passo não olho pra ela, o que é difícil já que ela fica no final da rua da minha casa, eu tremi quando li os arquivos de novo e levantei umas 7 vezes enquanto escrevia o texto pra olhar um forno vazio e dar voltas no quintal.

Passei uma boa parte dos anos seguintes ao ocorrido achando que a culpa de tudo era minha e com vergonha do ocorrido até conversar com a psicóloga e ela dizer que era bullying e racismo, nunca conversei com ninguém além dela, então resolvi escrever para dizer que passou, que me faz bem construir um espaço de luta pra acabar com esse tipo de coisa.

Aproveito também pra agradecer as meninas, minha mãe e minha madrinha que eu tive muita sorte de ter presentes nesses momentos, porque elas souberam lidar com as crises. Dizer que às vezes vão passar pela sua vida pessoas como a Rebeca, que não tinha muito contato comigo mas escreveu um texto dizendo que eu era especial que eu guardo com carinho até hoje. E que passou da hora de professores e diretores tratarem bullying e racismo como algo sério porque não da pra escola continuar sendo um inferno pra milhares de alunos.