Nova diretoria da UBES toma posse nesta quinta, com entidades reunidas na sede em São Paulo

“Pois vejo vir vindo no vento
Cheiro de nova estação…”
Belchior

Nesta quinta, 28, aconteceu na sede das entidades estudantis a posse da nova diretoria da UBES, marcando o início de um novo tempo. Temos vivido um período desafiador para os estudantes brasileiros, porém, este mesmo tempo tem se mostrado importantíssimo para a história do nosso país: vamos levar a nossa luta cada vez mais longe, construir uma educação que seja inclusiva, que seja diversa. 

A UBES quer levar essa luta para o Brasil inteiro, aglutinar todo o país, a força de cada estado, todos os estudantes, para, juntos, lutarem em defesa das nossas escolas e derrotar o presidente Bolsonaro que tanto vem atacando a nossa Educação, retirando tantas verbas e fazendo com que os nossos estudantes abandonem suas salas de aula. E nós não podemos deixar isso acontecer, nós precisamos levar à frente a defesa ampla da Educação e a UBES tem essa grande tarefa durante esse biênio. “Junto a essa mesa, nós somos um timaço e vamos conseguir fazer uma ótima gestão e trazer a derrota genuína do Bolsonaro do poder. Estar aqui é muito emocionante, porque o momento que vivenciamos não é nada fácil e nós precisamos levar à frente essa pauta”, disse Wanderson Marques, vice-presidente da UBES em seu discurso de posse.


É hora de lutar contra o Bolsonarismo!

Neste ano, mais do que em nenhum outro, a nova gestão da UBES tem uma missão muito importante que é enfrentar o que nenhuma outra geração viveu: o bolsonarismo. Nunca tivemos uma gestão que sucateou e precarizou tanto a Educação como a de Bolsonaro.

No Brasil, em todos os estados, temos um alto índice de analfabetismo e precisamos conseguir combater essa questão, a do novo ensino médio e como essa Educação vai conseguir se reestruturar e, principalmente, chegar na juventude, para ganhar forças e estar próxima de cada estudante.

O fundador e Diretor-executivo da Educafro, Frei David, também esteve presente na posse e reiterou a necessidade de luta por justiça, pelos direitos estudantis, à Bolsa Moradia, à Bolsa Alimentação, direito às cotas, isto porque lembra que haverá a perseguição violenta dos bolsonaristas. “De modo que eu vou pedir, então, a Deus, nas minhas orações, muita energia pra essa equipe que está subindo agora, pra que eles tenham resistência, garra e estratégia para vencer!”, comentou o frei.

É fato: a atual gestão da UBES tem um desafio histórico. Apesar da UBES sempre ter estado à frente, nos últimos 74 anos, nos principais momentos de luta e resistência pela Educação  e a favor das políticas da juventude, esse é o momento de enfrentar os desafios do presente e pavimentar um futuro melhor pra todas as pessoas. “É um dia de celebração pela nova gestão, mas também de compreender os desafios para combater a evasão escolar, defender mecanismos e políticas de permanência que sejam capazes de reduzir as desigualdades para que jovens possam se desenvolver plenamente e permanecer na escola e exercer os seus direitos; para que a juventude seja protagonizada por jovens, para jovens com jovens”, enfatizou Marcus Barão, da CONJUVE.

Como disse Guilherme Lucas, Secretário Geral da UBES, cada um aqui presente no dia de hoje tem um papel importantíssimo em construir essa obra tão importante, essa história do país pelas mãos da juventude e defender todo e qualquer direito que o estudante tenha.


Nós vamos construir o mundo dos sonhos

Concretizar a derrota do Bolsonaro e reorganizar, não só o movimento secundarista no Brasil, mas também o que que vai ser o nosso país a partir de agora, é o objetivo desta gestão. Porque não basta só derrotar esse [des]governo, é preciso recuperar o país de tudo o que aconteceu nos últimos anos.

Desde a manutenção e investimento nas escolas técnicas, nos institutos federais, até a construção da escola que a gente quer, gerando o modelo de escola pós-pandemia. Pois de nada vai adiantar nossos jovens voltarem às salas de aula com um modelo de escola que já não nos cabe, é necessário construir um novo modelo de ensino a partir disso.

Precisamos falar sobre a reforma do ensino médio, uma verdadeira reforma, feita por nós, de estudantes para estudantes, com uma escola estruturada, com alimentação digna, e com um financiamento correto da Educação, com plano emergencial de reorganização do nosso país.

Precisamos ser pautados pela Educação, pela Ciência e Tecnologia, mas, sobretudo pela DEMOCRACIA, defender eleições livres, defender o direito do voto – incluindo a urna eletrônica, tão ameaçada.

“Derrotar o Bolsonaro é organizar o movimento estudantil secundarista e recuperar o nosso país pra ser o país que a gente nunca viu antes, o país dos nossos sonhos, justo, igualitário, onde a gente possa ser feliz de verdade”, encerrou Jade Beatriz, nossa presidenta.

Nós não vamos nos cansar!


________________________________________________________________________


UBES TEM POSSE E CONVOCA ATO NO DIA 11 DE AGOSTO

DIA NACIONAL DE MOBILIZAÇÃO FORA BOLSONARO
EM DEFESA DA DEMOCRACIA E POR ELEIÇÕES LIVRES

Hoje, o governo Bolsonaro ataca o povo brasileiro de todos os lados. É preciso que estejamos prontos para bater de frente e fazer história, instituindo uma barreira sólida contra essa ameaça.

No próximo dia 11, Dia Nacional dos Estudantes, é o nosso dia, é será uma data fundamental para construirmos juntos o início da derrota do Bolsonaro, o principal inimigo da Educação.

É urgente garantir a construção de uma frente ampla que defenda os interesses de todos que são contra as atrocidades deste governo genocida. Por isso, a UBES e as demais entidades estudantis vão encabeçar o ato do dia 11 de agosto, assim como já fizeram em outros momentos históricos em que o Brasil mais necessitava. 

Precisamos entender o tamanho que somos e que, unidos, podemos chegar cada vez mais longe. Ainda mais longe de onde já estamos! Os estudantes estão sofrendo nas suas salas de aula, nas suas casas e nós precisamos estar lá.

Houve uma ampla tiragem de títulos de eleitor, foram mais de 12 milhões, o que já é uma vitória, mas isso foi só o começo. Apesar de ter sido um recorde, a tarefa mais complexa é a que está por vir: fazer com que todos esses estudantes usem seus títulos para derrotar o Bolsonaro! 

Porque é nas ruas e nas urnas que cada um de nós tem esse papel de levantar um governo progressista daqui pra frente e fortalecer o interesse do estudante e do povo brasileiro.