UBES lança campanha “Vida, pão, vacina e educação: Pelo direito de estudar”

"Um grito de luta e revolta." Leia o manifesto da campanha secundarista lançada nesse Dia da Educação, 28/4.

“A campanha Pelo Direito de Estudar é um grito de luta e revolta”, diz o manifesto lançado pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas neste 28 de abril, Dia da Educação. O texto denuncia a “negligência criminosa” do governo federal com a escola pública brasileira. Além de ceifar vidas, a incompetência de Bolsonaro e seus ministros têm violado o direito de 50 milhões de estudantes ao acesso à educação, na “maior violência educacional contra a juventude brasileira desde a redemocratização do Brasil”, avalia o documento.

No manifesto, exigimos direito à vacina de professores e comunidade escolar, saúde e segurança nas escolas, internet e tecnologias, merenda e segurança alimentar, vida e proteção de crianças e adolescentes.

Leia na íntegra:

“Além do descaso com a pandemia, o governo Bolsonaro também está promovendo a maior violência educacional contra a juventude brasileira desde a redemocratização do Brasil.”

“A incompetência do MEC, o negacionismo e a paralisia do governo federal causaram uma negligência criminosa com a escola pública brasileira, ignorando o direito constitucional de mais de 50 milhões de estudantes da educação básica, nos 26 estados e no Distrito Federal, de terem acesso ao ensino.”

“Enquanto as famílias mais ricas e as escolas particulares conseguiram algum tipo de acompanhamento online, aulas virtuais e uso das tecnologias, para os estudantes da escola pública, a grande maioria da juventude brasileira, a situação é de completo abandono.”

“Nós estamos lutando para salvar a nossa geração. Temos o direito de ter acesso ao ensino formal, à formação humana, profissional, ao trabalho, à universidade.”