ALAGOAS CONTRA AUMENTO ABUSIVO DAS TARIFAS

Nesta quarta (13), passeata deu início às manifestações na capital

Estudantes e trabalhadores foram às ruas de Maceió (AL) na tarde desta quarta-feira (13) para protestar contra o aumento da tarifa de ônibus na capital. O ato que partiu da Praça Sinimbú, no centro, seguiu em direção à Associação dos Transportadores de Passageiros do Estado de Alagoas (Transpal), que foi ocupada.

Na última semana, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) junto aos empresários de ônibus participaram de uma reunião organizada pelo Conselho Municipal de Transporte, onde decidiram pelo reajuste da passagem de R$ 2,75 para R$ 3,15!

A Associação dos Estudantes Secundaristas de Alagoas (AESA) lançou nota afirmando que o reajuste é arbitrário. “É necessário alertar que o reajuste não advém do preço estabelecido pelo edital da licitação realizado no final do ano de 2015, mas sim, pelo aumento do salário mínimo, da gasolina e dos estragos causados devido aos incêndios de alguns coletivos. De acordo com o texto do edital, o reajuste passa a ser efetuado a partir do primeiro ano de licitação, permitindo assim mais um aumento no final do ano de 2016”, alerta.

O presidente da AESA, Pedro Mendes, esclarece a pauta da reivindicação. “Os estudantes e trabalhadores não vão pagar pelo luxo dos empresários. Nossos ônibus são sucateados, dividimos espaços com as baratas e a frota de ônibus não corresponde à demanda da cidade. Por esses e outros motivos esse aumento é absurdo e inaceitável”, afirmou Pedro Mendes, presidente da Associação dos Estudantes Secundaristas de Alagoas”, diz.

O representante da UNE, Devid Tenório, afirmou que esta manifestação foi apenas o pontapé inicial. “Seguiremos mobilizados contra o aumento e, em confluência com os atos nacionais, seguiremos dizendo não a esse absurdo”, afirma.

A passeata, que também mobilizou um “Libera Catraca” nos corredores de ônibus, também pautou o passe livre estudantil e melhores condições de trabalho para os cobradores de ônibus e a ameaça de demissão em massa.

Na próxima sexta-feira (15), uma nova reunião foi marcada para definir os rumos das novas manifestações. A concentração acontecerá da plenária acontecerá na sede do DCE da UFAL, no Centro.