MEC nomeia candidato derrotado para reitoria do IFSC

O ministro ignorou as mobilizações nas redes sociais para respeitarem as eleições internas com as tags #TiraAMãoDoMeuIF e #PosseDoReitorEleito

A intervenção antidemocrática do MEC se consumou no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina – IFSC. Foi publicada nesta manhã (04/05), a portaria com a nomeação do candidato perdedor para a reitoria do IF, contrariando toda a mobilização de estudantes e professores que pediam a posse do reitor eleito.

O MEC atacou a autonomia dos Institutos Federais no final do mês passado com a nomeação autoritária de interventores nas reitorias do IFSC e do IFRN. Nas duas instituições, foram designados reitores pro tempore (temporários), além de ignorada a decisão da comunidade acadêmica com o resultado das eleições internas. É preciso lembrar que o MEC de Bolsonaro já interveio em escolas universidades outras vezes.

Imediatamente em reação à nomeação, os estudantes lançaram novamente o movimento #TiraAMãoDoMeuIF, que ganhou enormes proporções em maio de 2019, junto à tag #PosseDoReitorEleito. Secundaristas e universitários se mobilizaram nas redes sociais pelo respeito ao resultado das eleições. A UBES tem recebido e postado manifestações de diversos campi e reitera que os estudantes e a comunidade acadêmica permanecerão mobilizados em defesa da democracia na educação e no país.

Em nota, o Conif – Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica manifestou preocupação e considera incoerente as nomeações de gestores temporários em casos onde os processos eleitorais ocorreram de forma idônea e legítima. “O Conselho externou seu posicionamento claro ao requerer a nomeação dos gestores eleitos em processos democráticos”, diz a nota.

“Nossa reação precisa ser unificada”, diz reitor eleito para o IFSC

Em uma live transmitida pela nossa página do Instagram no dia 21/04, os reitores eleitos do IFRN e do IFSC conversaram com o presidente da UBES, Pedro Gorki. Eles se disseram surpresos e revoltados com a situação e consideram que essas campanhas nas redes são fundamentais, pois a falta de democracia pode avançar para o resto do Brasil.

Professor Gariba, eleito no IFSC, faz questão de destacar a importância do processo eleitoral para os institutos: “Isso faz parte do processo de formação de nossos alunos. É um momento de discussão, de troca, de escuta”.

“O que aconteceu aqui é um balão de ensaio para ser replicado em outros IFs”, preocupou-se José Arnóbio de Araújo, eleito para o IFRN.