Nota da UBES sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas sente a revoltante tristeza pela morte da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), assassinada covardemente no Rio de Janeiro na noite desta quarta-feira (14).

Negra, jovem, periférica, lutadora na defesa da vida da juventude, Marielle é a imagem da representação que os estudantes brasileiros e a população em geral desejam para transformar as desigualdades deste país. Sua voz e sua mensagem inspiram a diversas outras mulheres negras a ocuparem todos os espaços na busca de um Brasil justo e igualitário.

Foi também no mês de março, no Rio de Janeiro, que há 50 anos outra morte covarde feriu o país, a do estudante Édson Luís, que mobilizou uma forte reação da sociedade civil durante o período de abusos da ditadura militar instalada. Da mesma forma, que Marielle seja símbolo da mobilização vigorosa da sociedade e do povo brasileiro frente ao trágico momento de opressão, principalmente sobre os mais pobres e moradores das periferias.

Assim como naquele 1968, o Rio vive sob uma arbitrária intervenção militar, fruto da corrosão da democracia. As balas que atingiram Édson e Marielle ousaram calar a mesma resistência em defesa da população do país. Marielle havia há pouco denunciado a execução policial de jovens na capital fluminense. Também foi nomeada relatora de acompanhamento da intervenção na cidade.

A UBES e todo movimento estudantil secundarista brasileiro solidarizam-se à família e amigos de Marielle e somam-se ao clamor pela apuração imediata e rigorosa do assassinato, que visou calar uma das vozes de resistência democrática e de emancipação do Rio de Janeiro e o Brasil.

Marielle presente. Agora e sempre.

União Brasileira dos Estudantes Secundaristas