Com protestos dos estudantes, Câmara Municipal de Sobral (CE) mantém vetado o projeto que impedia o debate sobre identidade de gênero

Tema poderá ser abordado nas escolas públicas e particulares da cidade

Na noite de terça-feira (20), estudantes e ativistas do movimento LGBT de Sobral, município do Ceará, realizaram um protesto na sessão plenária da Câmara Municipal. Lutavam a favor da manutenção do veto do prefeito Ivo Gomes (PDT).

Com o apoio de entidades religiosas da cidade, o projeto visava impedir o debate de gênero nas escolas e defendia que tal assunto não competia ao ambiente escolar e sim familiar. O prefeito vetou o projeto e afirmou que é competência da União legislar sobre as diretrizes da educação nacional.

Eram necessários 11 votos favoráveis a derrubada do veto para que o projeto saísse vitorioso. Mas, devido a ausência de dois vereadores na votação, a continuidade do veto foi aprovada por 10 votos contra 9.

Com o resultado, as escolas públicas e privadas de Sobral poderão incorporar o debate de gênero às salas de aula, o que resultou em tumulto entre os manifestantes pró e contra a o debate de gênero.

Manifestantes a favor e contra o projeto ocuparam a Câmara Municipal de Sobral enquanto aguardavam resultado da votação.

Em sua página no Facebook, a professora universitária Rô Pimenta, criticou a postura do presidente da Câmara e a truculência da Guarda Municipal: “Repressão na Câmara Municipal de Sobral, que não é mais a casa do povo, agora é a casa dos fundamentalistas religiosos. Mas estou preocupada com tanto ódio e ignorância”.

A professora se refere a forte pressão religiosa que permeia a Câmara. O projeto que proibia o debate de gênero nas escolas já havia sido aprovado em primeiro e segundo turno em dezembro do ano passado, mas acabou sendo vetado pelo prefeito.

 

 

Por Aline Campos