Após 8 anos desativada, APES volta a ter voz

Associação Potiguar dos Estudantes Secundaristas elegeu nova diretoria nos dias 27 e 28 de julho

Nova diretoria da Associação Potiguar dos Estudantes Secundaristas (APES) foi eleita, por unanimidade, em congresso realizado em Natal (RN), nos dias 27 e 28 de julho, com a participação de 400 estudantes de diversas regiões do Estado.  Lauanda Pedrita, 18, estudante da Escola Estadual Anízio Teixeira, na capital, assume a presidência da entidade pelos próximos 2 anos.

Entre as principais bandeiras da Apes estarão, a defesa do financiamento público das escolas, derrubada da Lei da Mordaça, uma nova reforma do ensino médio e a defesa do ensino técnico integral e a discussão do Plano Nacional de Educação.

“Precisamos conduzir a Associação Potiguar dos Estudantes Secundaristas tendo em mente uma construção coletiva e unitária, com menos preconceito e mais respeito, com mais merenda e menos ‘biscoito com suco’, com mais professores e menos opressões. Destaco ainda a necessidade lutarmos por um novo debate Sobre a Reforma do Ensino Médio, porém agora com a ajuda e colaboração dos estudantes e profissionais da educação. Teremos inúmero desafios, mas acredito na ousadia e coragem do secunda potiguar”, afirmou Lauanda.

Lauanda tem 18 anos e foi eleita presidenta da APES durante o 15º CONAPES. (Foto: Rodrigo Lima | Viral – Mídia e ID Digital)

O congresso, que teve 200 delegados, contou com representação de toda a Região Metropolitana e cidades como Mossoró, Currais Novos, São Miguel do Gostoso, Rio do Fogo, Carnaubais e Caicó. Agora, a entidade estudantil mais antiga do Brasil, fundada em 1928, terá em sua diretoria representantes de todas as forças da juventude potiguar: União da Juventude Socialista, Paratados, Kizomba, Fora de Ordem, Levante Popular da Juventude, e Juventude e Articulação de Esquerda.

O 15° Congresso da Apes foi realizado, no Centro Estadual de Educação Profissional Professora Lourdinha Guerra, em Nova Parnamirim, e contou ainda com diversos debates sobre a estrutura das escolas, pautas identitárias e transporte público.