Você conseguiria viver sem ela? Carteirinha da UBES ganha nova campanha

Vídeo irreverente mostra importância do Documento do Estudante para garantir acesso à cultura e superar retrocessos

Nem todos os jovens de hoje sabem, mas foi preciso muita luta da juventude para que a meia-entrada se tornasse um direito a estudantes em todo o território nacional. A lei 12.933, de 2013 estabelece a necessidade de comprovação da condição estudantil, por meio do Documento do Estudante, para garantir o acesso e como uma forma eficaz de evitar fraudes.

Para lembrar desta conquista, a UBES lança uma campanha que demonstra a importância do Documento do Estudante no dia a dia e na formação dos secundaristas. “Desde que ela entrou na minha vida, tudo ficou mais legal. A gente vai o teatro, a vários shows.. Até a exposições comecei a ir”, diz a personagem.

Assista!

Cultura contra retrocessos

Camila Lanes, presidenta da UBES, lembra que o acesso à cultura é essencial para superar ondas de retrocessos como a que o Brasil vive, em que conteúdos escolares, exposições e artistas têm sido censurados. “Achamos importante também romper com padrões e estereótipos na produção do nosso vídeo, isso porque acreditamos na diversidade e no respeito à pluralidade como únicas saídas para o País”.

Para a UBES, cultura, arte e esporte são fundamentais para complementar a educação da juventude e, futuramente, a emancipação do povo.

Direito para quem tem direito

As entidades estudantis lutam ainda para evitar usos indevidos à meia-entrada, o que dificulta o acesso a quem realmente tem direito a ela.

Recentemente, a União Nacional dos Estudantes (UNE) entrou com um processo judicial contra a organização do Lolapalooza. O festival aumentou o preço dos ingressos em 63%, de um ano para o outro, e disponibiliza uma “meia-entrada social”. Na prática, a meia-entrada estudantil fica inviabilizada.

Camila afirma que consolidar a meia-entrada e garantir o acesso dos estudantes a ela é uma das bandeiras da UBES: “Temos travado uma luta para mobilizar e conscientizar os produtores de eventos, artistas e todo o setor cultural sobre a importância de garantir aos estudantes a meia-entrada de verdade!”.