UBES lança campanha pelo direito à meia-entrada estudantil

Presente no Estatuto da Juventude, o direito à meia-entrada está associado à promoção da criatividade, bem-estar e desenvolvimento integral do jovem

A plena formação do jovem passa pelo seu contato com experiências e manifestações culturais que transcendem os muros da escola. Acreditando nisso, a UBES se mobiliza para consolidar a meia-entrada estudantil e garantir o acesso dos secundaristas a ela.

Nem todos os jovens de hoje devem saber, mas foi preciso muita luta para que a meia-entrada se tornasse um direito dos estudantes em todo o território nacional. A vitória veio com a lei federal 12.933, aprovada em 2013 e sancionada no dia 1o de dezembro de 2015.

Para lembrar desta conquista, a UBES lançou, em outubro de 2017, o primeiro de três vídeos que fazem parte de uma campanha pela valorização do direito à meia-entrada. Os vídeos ilustram a importância do documento nacional do estudante no dia a dia e na formação dos secundaristas.

“Desde que ela entrou na minha vida, tudo ficou mais legal. A gente vai ao teatro, a vários shows. Até a exposições comecei a ir”, diz a personagem, que está no cinema com sua namorada, no 1º dos 3 vídeos da campanha.

UBES X LOLLAPALOOZA

A UBES, UNE e ANPG entraram, em outubro de 2017, com um processo judicial contra a organização do Lolapalooza Brasil. O festival aumentou o preço dos ingressos em 63%, de um ano para o outro, e disponibiliza uma “meia-entrada social”, que banaliza o acesso ao direito.

“Temos travado uma luta para mobilizar e conscientizar os produtores de eventos, artistas e todo o setor cultural sobre a importância de garantir aos estudantes a meia-entrada de verdade!”, diz Stephannye Vilela, tesoureira-geral da UBES.

“Com a meia-entrada assegurada para quem realmente tem direito, a UBES pode batalhar por preços mais justos e acessíveis para todos”, completa.

ESCOLA AMIGA DO ESTUDANTE

Neste sentido de oferecer ao jovem um conjunto de possibilidades e oportunidades que vai despertar nele um mundo novo, a UBES também encabeçou outro projeto. O Escola Amiga do Estudante (arte ao lado) é uma parceria da entidade com instituições de ensino para facilitar o acesso do secundarista ao documento do estudante, propiciando também seu acesso às experiências culturais.

O acesso à cultura, lembra a Tesoureira da UBES, Stephannye Vilela, é essencial para superar ondas de retrocessos como as que o Brasil enfrenta desde que o ilegítimo Temer assumiu a presidência, conteúdos escolares, exposições e artistas têm sido censurados.

Originalmente publicado na Revista da Gestão 2015 – 2017.