SP: Secundaristas comemoram vitória de professores

Governo de São Paulo atende reivindicação para recontratar 33 mil temporários

O presidente da União Paulista de Estudantes Secundaristas (UPES), Emerson Catatau, escreveu um artigo em apoio à conquista dos professores do estado nesta segunda (11). Isso porque o governo estadual anunciou que vai atender à uma reivindicação da categoria e recontratar os 33 mil professores temporários de São Paulo, a “categoria O”.

Na verdade, a luta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) é para que os temporários enfim sejam contratados com os mesmos direitos dos efetivos, como determina o Plano Nacional de Educação. Entretanto, enquanto isso não acontece, a preocupação emergencial é com o longo período em que eles precisam ficar longe das salas de aulas entre um contato temporário e outro, por lei.

O problema é que, em vez de resolver a questão de falta de professores, os temporários sempre acabam recontratados, mas para isso ficam 200 dias sem salário afastados das salas de aula.

Emerson Santos, o “Catatau”, lembra como cotidianamente os secundaristas sofrem com a falta de professores e como são aliados à luta dos profissionais. Leia:

 

Vitória da APEOESP! Conquista de toda a educação!

Professores não serão demitidos às vésperas do Natal

Depois de incessante mobilização e pressão, o governo do estado de São Paulo anunciou nessa segunda-feira (11/12) que enviará a assembleia legislativa, em caráter de urgência, um projeto de lei para a redução de 180 para 40 dias para que professores da categoria “o” sejam recontratados.

A APEOESP (Sindicato dos Professores e Professoras do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), uma das maiores e mais importantes organizações na luta em defesa da escola pública, que diariamente defende a educação do sucateamento da gestão Alckmin, inviabilizou a demissão de 33 mil professores categoria O, da rede pública de ensino.

Uma importante vitória a ser comemorada por todos os defensores da educação, especialmente nós estudantes secundaristas, que cotidianamente somos liberados mais cedo, ou largados pelo pátio da escola devido à “aulas vagas” por falta de professores.

Não será possível avançarmos na qualidade da educação pública, sem a devida valorização de nossos professores e garantia de que eles e nós, alunos, estejamos em sala de aula. Para isso, enfrentarmos o problema da evasão escolar é fundamental.

Comemoramos, continuamos firmes e com a convicção de que é preciso caminharmos cada vez mais para fortalecer esta histórica e ampla unidade dos professores, estudantes, trabalhadores da educação e toda a sociedade para defender a escola pública.

Recentemente impedimos a votação do PL da “Escola Sem Partido” (Lei da Mordaça) na câmara municipal de São Paulo, e antes, derrotamos também este temeroso projeto nas cidades de Santo André e Campinas.

Mais uma vez provamos que só a luta conquista. Estamos em estado permanente de mobilização e lado a lado aos nossos grandes amigos e principais responsáveis pela formação da juventude e de nossa sociedade: o Professor!

“O professor é nosso amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”

Emerson Santos
Presidente da União Paulista dos Estudantes Secundaristas