Conferência Popular de Educação será espaço de democracia e resistência

A CONAPE foi lançada nesta quarta (6/12) no Senado, com participação de Pedro Gorki e Guilherme Barbosa, representantes da UBES

A Conferência Nacional de Educação (CONAE) já foi um espaço muito importante para criação de políticas educacionais, mas a UBES e outros movimentos sociais perderam a confiança no fórum, realizado a cada dois anos, e criaram um novo espaço. A diferença é a inclusão de um P, de Popular. A Conferência Nacional Popular de Educação (CONAPE) deve acontecer em abril de 2018 e foi lançada oficialmente em audiência pública no Senado, nesta quarta (6/12), por mais de 20 entidades, entre elas a UBES.

“Enquanto um governo ilegítimo rompe com a democracia e, principalmente, com a democracia dos espaços de discussão sobre a educação, realizar a Conape é um ato revolucionário”, disse Pedro Gorki, novo presidente da UBES.

O jovem de 16 anos destacou a importância de um ambiente para se debater de fato a democracia nas escolas, analisar o que significa a reformulação do ensino médio e, ainda, combater a censura no ensino, a “lei da mordaça” e projetos ultraconservadores como “Escola Sem Partido”. Para ele, a existência do fórum já é um ato de resistência, no cenário atual.

Expulsão de entidades

Guilherme Barbosa, diretor de Políticas Educacionais da gestão 2015/2017 da UBES, acompanhou todo o processo de criação da Conape e também esteve presente no Senado para o lançamento. Ele lembrou de quando o Ministério da Educação retirou órgãos progressistas do espaço, em maio:

“A gente sabe que vive um momento de ruptura democrática, em que se tenta instalar um projeto neoliberal no Brasil, com caráter cada vez mais regressivo. Isso tem muito a ver com o que aconteceu no Fórum Nacional de Educação, onde o governo constrói uma falsa maioria, ao expulsar entidades do espaço. Este governo tem incompatibilidade com a participação popular”.

No Senado, pela porta da frente

Em sua primeira ida à Brasília como presidente da UBES (ele foi eleito no sábado, 2/12), Pedro Gorki começou sua fala ironizando a truculência com que o povo é tratado no Senado: “É a primeira vez que entro aqui sem ser recebido pela polícia”.

Depois da audiência pública que lançou a Conape, Gorki seguiu à plenária, onde recebeu homenagem das senadoras Vanessa Grazziotin (PCdoB) e Fátima Bezerra (PT). “O Congresso da UBES foi vitorioso, pela grande participação dos jovens. Quero saudar a UBES pela luta pela cidadania do nosso povo”, disse Fátima Bezerra. Elas propuseram que o Senado votasse moção de aplausos à Pedro e à UBES.