Defender a educação pública é defender a soberania nacional

A mesa tema do Congresso uniu os debatedores pela greve geral e Conferência Popular de Educação

“É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar, não de esperar”. A referência à frase de Paulo Freire foi feita pelo presidente da CNTE, Heleno Araújo Filho, durante o debate “Defender a educação pública é defender a soberania nacional”, do 42º CONUBES, realizado na manhã desta quinta-feira (30) na Praça Universitária em Goiânia.“Esperançar significa mobilizar, debater, juntar forças para fazer de modo diferente”, acrescentou.

Essa esperança da qual falou Freire nunca se fez tão necessária diante da atual situação da educação pública no país. No Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte, por exemplo, os professores estão há três meses sem salário, diz a presidenta do Sindicato dos Docentes das Instituições do Ensino Superior (ANDES), Eblin Farage. “Não é possível ter educação pública sem plano de carreira e valorização dos professores”, diz.

Presidenta do ANDES, Eblin Farage, durante 42º CONUBES

A secretária de Juventude do Maranhão, Tatiana Pereira, lembrou que mais da metade do povo brasileiro (52%) tem apenas o ensino fundamental completo, a maioria jovens de até 25 anos, vindos de comunidades na periferia. Diante desse cenário, a construção de uma Educação pública, gratuita e de qualidade se coloca como um desafio e um imperativo para edificação de um país soberano. “Defender a educação pública é defender instrumentos que qualificam o estudante para ele enfrentar a realidade em que vive. Nesse sentido, o estudante tem papel crucial no desenvolvimento da nação”, disse Tatiana.

Greve Geral e CONAPE 2018

Um dos temas de unidade foi a adesão à greve geral do dia 5 de dezembro, convocada pelas centrais sindicais. “Vamos parar esse país. Essa é uma ação de visibilidade nas ruas. Mas, além das ações nas ruas precisamos lotar os espaços de reflexão para formulação da política educacional que queremos”, disse o presidente do CNTE.

A Conferência Nacional Popular de Educação (CONAPE), que será realizada nos dias 26, 27 e 28 de abril em Belo Horizonte, também foi destacada por todos. Organizada pelo Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE), da qual a UBES faz parte entre 34 entidades, a Conferência terá como resultado um documento que apontará qual a proposta do movimento social para Educação pública brasileira. Esse documento final será referência para o embate das eleições de 2018.

“A CONAPE é um movimento de resistência ao Fórum Nacional de Educação [FNE], que depois que o governo golpista assumiu, foi transformado em um fórum de seu interesse”, disse o representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (CONTEE), Geraldo Profírio Pessoa.

Também participaram do debate Manoel Dias, presidente da Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini, João Moraes, da Plataforma Operária e Camponesa da Energia, e Ilma Maria de Oliveira, professora e representante da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

O 42º CONUBES segue até dia 02 de dezembro, em Goiânia. Acompanhe a transmissão ao vivo no Facebook da UBES.

Por Natasha Ramos, de Goiânia | Fotos por Nilmar Lage