“Mãe, estou no Goiás!”

Juventude cruza o Brasil com muito grito e chega ao 42ª Congresso da UBES

“Mãe, estou no Goiás!”, avisou Edinei da Souza Silva ao pisar pela primeira vez fora da Bahia. “O pessoal de lá achou até chique”, ria o estudante de Alagoinhas (BA). Na tarde desta quarta (29), ele chegava na Praça Universitária, em Goiânia, com outros jovens baianos, para seu primeiro Congresso da UBES. O 42º da entidade.

A chegada aconteceu depois de três dias na estrada em um ônibus que buscou jovens de vários institutos federais da Bahia. O campus de Edinei, no interior baiano, tem apenas sete meses de existência, mas neste pouco tempo ele já conheceu o movimento estudantil e gente de outras cidades. Agora está ansioso para trocar experiências também com pessoas de mais regiões do País: “Eu vim pelo conhecimento, pela diversidade, para ver outros costumes”.

Cansado pelos dias de viagem? “Eu sou baiano, a gente tem muita energia!”, explicava ele enquanto os colegas gritavam com muito ânimo:

“Vai ser descendo
Até o chão
Que a Bahia vai fazer revolução”

O baiano Edinei saiu de seu estado pela primeira vez para o CONUBES

Depois de três dias de estrada, baianos ostentam disposição

Grito de guerra na estrada

Um outro baiano, revolucionário, estampava o braço de uma garota do outro lado da praça. “Marighela vive”, lê-se na tatuagem de Rossana Reis, de 18 anos. Ela chegava do Tocantins e concordava que o tempo no ônibus é ótimo para ensaiar os gritos do seu estado, além de ser útil para leitura da tese que sua força política vai defender na plenária do 42º CONUBES.

Fazia cinco horas que esperava pela abertura do congresso com sua caravana, mais as 12 horas de ônibus. “Tudo pela melhora da educação pública!”, animava-se. Rossana termina o Ensino Médio e se prepara para tentar uma vaga na universidade de Direito.

Para o pessoal que chegava de Chapecó (SC), também reunido na Praça Universitária, foi fácil passar as 27 horas no ônibus, ouvindo música e inventando gritos. A única dificuldade é a falta de banho. “Se conversar mais tempo com a gente, vai perceber”, divertiam-se. Matheus das Neves Almeida, de 14 anos, é vice-presidente da UMES Chapecó e resume o sentimento da turma:

“Lutamos contra o corte de gastos para educação, contra a censura nas escolas. Viemos porque ficar só reclamando no Twitter não vai resolver”.

O Congresso da UBES segue até o dia 2 de dezembro, na Praça Universitária e na Arena Goiânia. Acompanhe ao vivo pelo Facebook da UBES.

Por Natália Pesciotta, de Goiânia
Fotos: Nilmar Lage