Polícia reprime estudantes em manifestação contra terceirização das escolas de Goiás

Contra projeto das OS’s, juventude pressiona secretário responsável pelas escolas técnicas

Em Goiás, diante da nova ofensiva do governo de implantar Organizações Sociais na administração das escolas, desta vez na rede técnica, os estudantes organizaram na tarde desta quinta-feira (19), manifestação na Praça Cívica, na capital. Concentrados em frente ao Palácio Pedro Ludovico, os secundaristas aguardavam para entregar carta de reivindicações ao secretário de Ciências e Desenvolvimento, Tiago Peixoto.

A manifestação chegava ao fim quando bombas de gás lacrimogêneo foram atiradas contra os estudantes que foram perseguidos e agredidos por policiais militares. Assim como aconteceu em São Paulo, a ação desproporcional dos policiais resultou em violência e quatro estudantes presos, entre eles, dois menores.

“Pedimos para o secretário descer e receber nosso documento com todas as nossas pautas. Ele não desceu, mas mandou a mão do Estado pra cima de estudantes que lutam por uma educação melhor. Prenderam, jogaram bombas de efeito moral, atiraram e bateram em estudantes”, conta a jovem Ana Beatriz nas redes sociais.

Depois de ocupar escolas em todo estado durante três meses no último ano e reverter à implantação do projeto que visava transferir a administração das escolas estaduais para organizações, os estudantes voltam às ruas para pressionar o secretário que é responsável pelas escolas técnicas.

Assim como a polícia tem agido com violência excessiva contra os estudantes de São Paulo, o vídeo do coletivo “Desneuralizador” mostra violência policial semelhante no ato em Goiás.