Estudantes ocupam Palácio do Planalto e comemoram anulação da sessão do impeachment na Câmara

Movimentos sociais decidem ocupar Palácio do Planalto pela derrubada completa do processo

Na semana que começou com comemorações dos golpistas pelo que poderia ser o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), decidiu anular a sessão que aprovou o processo contra ela.

A decisão atendeu a solicitação da Advocacia-Geral da União (AGU), que protocolou o pedido de cancelamento das sessões dos dias 15, 16 e 17 de abril na Câmara.
Maranhão, que assumiu a presidência após afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), argumentou que ocorreram vícios no julgamento dos deputados na votação, já que eles decidiram pelo impeachment sem ter, como base, a denúncia apresentada.

“Não poderiam os partidos políticos ter fechado questão ou firmado orientação para que os parlamentares votassem de um modo ou de outro, uma vez que, no caso, deveriam votar de acordo com suas convicções pessoais e livremente”, diz um trecho do documento (acesse aqui na íntegra). Com a decisão, o Senado precisará devolver à Câmara os documentos da aprovação do impeachment na Câmara para que ele seja decidido novamente durante cinco sessões na Casa. Só então ele será votado outra vez.

A presidenta da UBES, Camila Lanes, declarou que a mobilização para desmascarar o golpe continua. “A notícia renovou o nosso fôlego, renovou a esperança do povo brasileiro diante dos recentes acontecimentos. Mesmo assim, não podemos arredar o pé da luta, foi mais um avanço, mas a mobilização precisa ser permanente até barrar completamente o golpe. Queremos lutar pela democracia, e democracia significa a participaçãp de todos e todas”, disse.

MOVIMENTOS SOCIAIS OCUPAM PALÁCIO DO PLANALTO
Na manhã desta segunda, a presidenta Dilma Rousseff, demonstrou estar engajada no compromisso com a educação, anunciando na presença de estudantes e professores a criação de cinco universidades federais e 41 institutos federais no Brasil. No fim da cerimônia, a UBES e os movimentos sociais iniciaram ocupação simbólica do Palácio, reafirmando a resistênciapara deixar a mensagem para ocupar todos os espaços.

“É uma ocupação simbólica, vamos ocuoar todos os espaços. Pode ser a Assembleia Legislativa, a escola, a universidade, o Palácio do Planalto, as ruas e as redes. Nós vamos ocupar em mensagem de solidariedade à esta luta, à estas decisões que podem mudar todo o rumo da política brasileira”.

FESTA DA DEMOCRACIA
A anulação do processo já mobiliza milhares de pessoas em todo o país. Em São Paulo, evento incitulado “Festa da Democracia” reunirá manifestantes na Avenida Paulista, no Vão Livre do Masp, a partir das 17hs. Acesse aqui e saiba mais.