Em Manaus, estudantes esfaqueados e assaltos integram a realidade das escolas

Secundaristas se espalharam pelas ruas para denunciar a violência que tem atingido o ambiente escolar

Em Manaus, estudantes sofrem com a crescente violência urbana nas escolas. Durante três dias de manifestações, que ocorreram nesta terça, quarta e quinta-feira (02,03 e 04), secundaristas foram às ruas, reivindicando mais segurança no ambiente escolar.  Adriana Bhor, representante da Secretaria da Educação e Qualidade (Seduc), esteve no colégio estadual Dom João, localizado na zona norte, e tentou coagir o protesto com advertências aos professores e ameaça de expulsão aos secundaristas. Apesar da tentativa de intimidação, a mobilização ocorreu pacificamente. Representantes da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES), pais e a comunidade escolar se uniram nas ruas após assaltos e uma invasão no Estadual Dom João para exigir providências da Seduc.

Para o presidente da UMES, João Victor Barros, os casos precisam vir a público. “Acredito que as pessoas devem saber sobre a calamidade da segurança pública no nosso estado! Fizemos uma ocupação na Seduc e a segurança foi a nossa principal pauta! O governo se comprometeu a resolver a situação e até agora não temos nada solucionado! ”, revelou.

Histórico de violência

Em maio, a Escola Estadual Vasco Vasques, na zona leste da cidade, teve três estudantes esfaqueados durante um assalto. Os assaltantes adentraram a sala de aula e levaram dinheiro e celulares. Em resposta ao ocorrido, no mesmo mês, a comunidade escolar realizou um protesto para cobrar mais segurança na instituição.