UBES DIVULGA PESQUISA COM ESTUDANTES DO ENSINO TÉCNICO

Cerca de 69% dos entrevistados querem melhorias na estrutura de suas escolas

Por todo o país, os secundaristas brasileiros organizam nos meses de março e abril a Jornada Nacional de Lutas em defesa do Ensino Técnico, que neste ano​ traz como tema​s​ ​a ​assistência estudantil, ​o ​passe livre ​no transporte público ​e ​o ​bandejão​ nas escolas​. Sinalizando as principais reivindicações que tem mobilizado desde escolas técnicas a institutos federais, a UBES divulga nes​t​a segunda-feira (13/04) ​o resultado parcial da ​pesquisa.

​A pesquisa ​foi realizada através de questionários respondidos ​pelos estudantes que participaram ​d​o 13º Encontro Nacional de Escolas Técnicas da UBES, o ENET, que aconteceu ​em​ fevereiro, no Rio de Janeiro. Os cerca de 1.700 ​secundaristas ​que ​estiveram ​n​o evento responderam ​a​s perguntas sobre ​a ​situação estrutural das escolas e institutos técnicos, qualidade do ensino e políticas de permanência e pesquisa.

Perfil dos entrevistados

Os estudantes que participaram da pesquisa são de diversas regiões do Brasil, sendo em sua grande maioria do ​Nordeste (33%), Sul (32%) e ​S​udeste (21%).

Estrutura

Sobre a situação da estrutura das instituições onde estudam​ — foram avaliadas  escolas públicas de educação técnica, privadas ​e da rede federal​ —​, boa parte dos secundaristas querem melhorias nas condições físicas, sendo que 69% afirma haver obras inacabadas em seu campus.

Chamadas de “saunas de aula”, em ​alusão ao calor das salas, 11% dos estudantes afirmaram não haver nenhum tipo de climatização nas escolas, sendo que 28% possuem apenas ventiladores. Outras necessidades ​apontadas foram a falta de bebedouros ​(37%​)​ e a ausência de quadras para prática de esportes​ (24%​)​.

Na era da tecnologia, os dados são mais positivos para a disponibilidade de computadores para os estudantes, onde 60% tem acesso nas escolas, porém, uma parcela de 31% afirma ser necessário aumentar o número de máquinas.

Rumo à Jornada Nacional de Lutas

Segundo o diretor de Escolas Técnicas da UBES, Fillipe Matias, o ENET serviu como radar para identificar a opinião dos secundaristas, que durante o encontro representaram escolas técnicas públicas, privadas e o total de 280 institutos federais.

“Realizamos encontros regionais para captar mais pautas, como por exemplo os que aconteceram no Paraná, no Rio de Janeiro e a etapa do encontro no norte, no Acre. Todas as demandas foram apresentadas no ENET e agora culmina na Jornada em defesa do Ensino Técnico”, destaca Matias. “A maioria dos estudantes estão se mobilizando pela construção de restaurantes universitários e a construção de um plano nacional de assistência estudantil específico para rede federal de educação profissional e tecnológica”, conclui.

​Nas próximas semanas, a UBES divulga​rá​ os dados sobre condições de acesso às escolas através de ônibus, passe livre e bolsas de assistência estudantil e pesquisa.

Da Redação.