Primavera feminista abriu o emergências

Palco foi tomado por 19 mulheres de diversas origens e matizes do feminismo que durante todo evento mediarão mesas da programação

Durante uma semana o Rio de Janeiro receberá pessoas vindas de toda América Latina para o evento Emergências, projeto que traz um olhar sobre a complexidade do mundo contemporâneo a partir da cultura. Durante a cerimônia de abertura nesta segunda-feira (07), o palco foi tomado por 19 mulheres de diversas origens e movimentos sociais, que, uma a uma, se apresentaram e expuseram suas lutas e os motivos por que vieram ao encontro.

Como a cultura permeia a defesa dos direitos, sejam eles políticos, democráticos, diversidades e dos povos, entre outros, o primeiro dia do Projeto Emergências foi marcado pela palavra de ordem “Não vai ter golpe”, em defesa do empoderamento das mulheres, contra a tentativa de impeachment da presidenta Dilma Rousseff e pelo Fora Cunha.

A presidenta da UBES, Camila Lanes, também esteve presente e falou sobre a luta em defesa da democracia. “Se nós conseguimos fazer o Alckmin voltar atrás em São Paulo, todos podemos derrubar o Cunha também”, bradou.

De acordo com o ministro da Cultura, Juca Ferreira, o país vive tentativas de retrocessos que tentam ser impostas através do golpe. “Estamos em um momento de luta política entre o passado e o futuro. É uma batalha travada à luz do dia na política, na mídia e na economia, entre outros”, declarou o ministro sobre o tema de destaque na cerimônia.

O Emergências acontece até o próximo dia domingo (13) com mais de 300 pensadores, ativistas, artistas, produtores culturais, gestores e agentes políticos debatendo na cidade do Rio de Janeiro, em Niterói e na Baixada Fluminense as saídas e as inovações que a cultura pode promover para levar a novas formas de sociabilidade.

Acesse aqui o evento nas redes sociais e acompanhe a programação que contará com shows, debates políticos, oficinas, atividades autogestionadas, apresentações de dança e o primeiro encontro nacional do funk.