Ministério Público pede suspensão de “reorganização escolar” do governo de São Paulo

Após a assinatura do governador Geraldo Alckmin (PSDB) do decreto que encaminha a “reorganização escolar” no Estado, o grupo de educação do Ministério Público Estadual pediu a suspensão da medida na região de Presidente Prudente, interior de São Paulo.

O promotor Luiz Antonio Miguel Ferreira apontou que a medida, que vai alterar a rotina de oito escolas da região, não foi dialogada com a população e que ações parecidas já foram tomadas em gestões anteriores e não deram resultado quanto a melhoria da qualidade do ensino.

“Ao que tudo indica, o governo estadual não está realizando uma reorganização visando à melhoria da educação oferecida pela rede estadual, mas sim uma reforma administrativa que visa reduzir gastos com a educação. Com isso, o impacto imediato da reestruturação será o fechamento de escolas”, afirma.

No ultimo domingo, a jornalista Laura Capriglione conseguiu com exclusividade um áudio em que o chefe de gabinete da secretaria estadual de educação convoca os dirigentes de ensino a “ir para a guerra” contra os estudantes que participam das ocupações. De lá pra cá, aconteceram inúmeras denúncias de violência policial contra os estudantes.

Do Brasil de Fato