Com mais de 15 atos, secundaristas ocupam as ruas de São Paulo

Manifestações contra o fechamento de escolas foram mais uma vez reprimidas pela PM

São Paulo amanheceu nesta quinta-feira pegando fogo: pelo menos 18 vias receberam atos dos estudantes contrários ao fechamento de escolas no Estado. Os manifestantes ocuparam as ruas, avenidas, pontes, viadutos e praças com as cadeiras de suas escolas, mostrando a irreverência do movimento secundarista.

Os protestos aconteceram em todas as regiões da cidade e na Grande São Paulo, onde a Diretoria de Ensino da Região também foi ocupada. Em comum, muitas dessas manifestações foram duramente reprimidas pela Polícia Militar, que atacaram os estudantes com cassetes, balas de borracha, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo, como na Avenida Faria Lima, ferindo os estudantes. Alguns jovens foram detidos.

O cenário de guerra em que o Estado está se transformou nos últimos dias é fruto da decisão da Secretaria de Educação de enfrentar as ocupações estudantis como se estivesse numa “guerra”, conforme áudio que vazou de uma reunião na secretaria no início da semana.

Nos últimos dias, protestos estudantis e escolas ocupadas sofreram diretamente com a truculência da Polícia Militar paulista. Para a presidenta da UBES, Camila Lanes, a ofensiva do governo, que conta com o apoio de diversas diretorias de ensino na desestabilização do movimento, vai ter que enfrentar a resistência dos estudantes.

“É essa a forma de diálogo do Alckmin e é justamente por isso que estamos ocupando as escolas. Essa geração já não aguenta mais esse cenário. A educação está sendo tratada da forma mais cruel possível, acabando com qualquer perspectiva da juventude. Isso é um crime. E o posicionamento dos estudantes é resistir e mostrar aos policiais que estamos do mesmo lado: eles também são oprimidos pelo governo. E vamos provar que a Primavera Secundarista é forte e só vai crescer”, conclui Camila.

Veja abaixo os locais em que aconteceram manifestações:

– Na Zona Sul, a Ponte João Dias, a Marginal Pinheiros, o Largo Treze de Maio e o Terminal Santo Amaro foram ocupados

– Na Zona Oeste, a Avenida Francisco Morato bloqueada pelos estudantes.

– Os estudantes das escolas EE Anhanguera, EE Pereira Barreto e EE Romeu de Moraes fizeram um no Terminal da Lapa, na zona oeste

– Alunos bloquearam a Avenida Angélica, no Centro, na região da EE Fidelino Figueiredo, e foram agredidos pela PM.

– A Avenida Heitor Penteado, na zona oeste, foi tomada pelos secundaristas

– Na Grande São Paulo, a Avenida Fabio Ramos Eduardo Esquivel, em Diadema, foi ocupada

– A diretoria de Ensino em Santo André foi ocupada e cercada por policiais

– A Avenida Guarapiranga, na zona sul, recebeu um ato

– Os estudantes tomaram a praça em frente ao metrô Butantã, na zona oeste.

– A Vila Madalena, na zona oeste, recebeu manifestação.

– O centro de Itaquera, que dá acesso a Radial Leste, foi bloqueado pelos estudantes.

– A PM jogou bombas em protesto na Avenida Faria Lima, na região oeste.

– A Ponte do Socorro ficou parada contra a “reorganização”

– A PM atacou os estudantes na Avenida M’Boi Mirim, na zona sul

– Os estudantes da E.E. Miss Browne fecharam a Avenida Pompeia, na Zona Oeste