UBES inicia hoje sua Jornada de Lutas!

UBES inicia hoje sua Jornada de Lutas

Em São Paulo, maior manifestação será em passeata entre o MASP e a Assembléia Legislativa

 

A UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) inicia nesta segunda-feira, 21/03, a semana de sua Jornada Nacional de Lutas pela educação, que prevê a realização, até a próxima sexta-feira, de passeatas e ocupações de instituições de ensino em 19 estados do país, além do Distrito Federal.

Em São Paulo, a Jornada da UBES será marcada, entre outros eventos, por uma passeata de estudantes secundaristas nesta terça-feira, 22/03, a partir das 9 horas, com trajeto compreendido entre o MASP e a Assembléia Legislativa. O protesto dos estudantes paulistas será centrado na aprovação da Proposta de Emenda Constitucional n° 9 (PEC) que cria um fundo estadual com os recursos do Pré-Sal e destina 50% para a Educação e na reprovação do aumento das tarifas.

Este ano, a Jornada Nacional de Lutas da UBES que é realizada em conjunto com a UNE (União Nacional dos Estudantes) e a ANPG (Associação Nacional dos Pós Graduandos) terá como tema a frase “Educação tem que ser 10”, que vem acompanhado de 10 itens que as entidades consideram fundamentais para melhorar a qualidade do ensino no país e a situação dos estudantes brasileiros.

Encabeçam as reivindicações dos estudantes o financiamento público da educação, com 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e a derrubada do veto presidencial ao projeto de lei que garante 50% do Fundo do Pré-Sal sendo destinados ao setor. Além disso, a UBES luta por leis específicas pela Regulamentação do Ensino Privado por mais qualidade.

Os estudantes também querem o fim do vestibular a partir da instituição de um novo sistema de ingresso nas Instituições de Ensino Superior (IES) e nas Instituições Federais de Ensino Técnico (IFETs), com reserva de 50% das vagas para estudantes oriundos da rede pública.

A lista das reivindicações dos estudantes secundaristas segue com o Ensino Básico Integral unificando o ensino médio ao técnico, a democratização radical do acesso ao ensino em todos os níveis, ampliação robusta da participação pública nas matrículas e o Plano Nacional de Assistência Estudantil sendo financiado por um Fundo Nacional de Assistência Estudantil, a ser formado por 2% do orçamento do Ministério da Educação e mais 2% da arrecadação das instituições privadas.

Completam a lista da “Educação 10” a extensão do Programa Nacional de Passe Estudantil para todos os níveis de ensino, a gestão democrática com eleições diretas e conselhos paritários em todos os níveis de ensino nas instituições públicas e privadas e valorização dos profissionais da educação e ampliação mais ousada da qualidade do ensino em todos os níveis, além da erradicação do analfabetismo no país.